Entenda como um processo seletivo pode fortalecer a sua marca e garantir o engajamento do seu candidato.

6 minutos para ler

O recrutamento e seleção é um processo que exige atenção e investimento dos gestores, afinal, eles definem os profissionais que vão ajudar a empresa a crescer. Sendo assim, é interessante entender como funciona a jornada do candidato e de que maneira é possível garantir uma experiência satisfatória para os talentos do mercado.

Neste texto, queremos mostrar quais são as fases pelas quais um profissional passa desde o momento em que entra em contato com uma vaga até a hora da contratação. Falaremos da perspectiva do candidato e do empregador. Assim, você vai entender como tornar esse processo mais fluido e eficiente.

Continue a leitura e confira nossas dicas para contratar os melhores talentos no seu negócio!

Por que entender a jornada do candidato?

Você já parou para pensar que os profissionais que têm melhor performance em sua empresa, em algum momento, passaram por uma jornada do candidato que foi tão satisfatória que garantiu a estadia e o desempenho deles na equipe?

Conseguir entender as etapas de um recrutamento não serve apenas para organização das fases e criação de padrões. Essa percepção também é fundamental para promover otimização desse processo, fazendo com que ele traga o retorno realmente esperado para a organização.

A partir da compreensão dessa jornada, seu time pode criar estratégias para gerar uma boa experiência para os candidatos, fortalecer a marca empregadora, inovar no processo seletivo e, dessa forma, atrair e contratar os melhores talentos.

Quais são as etapas dessa jornada?

Em geral, podemos separar a jornada do candidato em cinco fases distintas. Elas abrangem desde o momento em que um profissional tem o primeiro contato com a marca empregadora até a contratação. Veja abaixo e entenda melhor como a empresa pode otimizar cada etapa.

Descoberta da empresa

O primeiro momento é o de descoberta de uma empresa pelo profissional. Isso pode acontecer de diversas formas. Em muitos casos, uma marca que já tem fama no mercado automaticamente pode chamar a atenção de pessoas que buscam por vagas. São clientes que acabam querendo fazer parte da história daquela companhia.

Por outro lado, existem profissionais que passam a conhecer uma empresa quando estão atuando em algum negócio concorrente. Conhecendo colegas de outra corporação ou ouvindo bons relatos sobre o ambiente de trabalho, a pessoa se sente atraída a também integrar aquele time.

Para uma empresa, o que é fundamental nesse momento é fortalecer a marca empregadora, também chamada de employer branding. Trata-se de trabalhar a imagem da organização para torná-la atrativa para profissionais do mercado. Assim, quando pensarem em um bom local de trabalho, vão pensar no seu negócio.

Quando uma marca consegue alcançar esse reconhecimento, torna-se muito mais fácil atrair talentos. É possível, inclusive, reduzir gastos em campanhas de marketing no recrutamento e seleção, já que os candidatos vão chegar à empresa de forma mais espontânea.

Interesse na candidatura

A segunda etapa é o interesse na candidatura, quando um profissional começa, de fato, a pesquisar oportunidades de trabalho na empresa. Diversos fatores vão influenciar esse momento.

Uma das questões é a disponibilidade de vagas disponíveis e se, entre elas, existe alguma que tenha o perfil do candidato. Quando um negócio abre poucas oportunidades por vez, é interessante manter uma plataforma para cadastro de currículos. Assim, os profissionais vão se sentir mais motivados a mostrarem interesse na empresa, mesmo que para uma seleção futura.

Outro fator que influencia a jornada do candidato nesse ponto são os benefícios oferecidos pela vaga. Apesar de conhecer a marca empregadora, é nesse momento que ele vai ter acesso a informações como salário, carga de trabalho e benefícios corporativos. Se a empresa tem uma imagem sólida, mas não tem salários competitivos, é bem provável que ela perca o talento para a concorrência.

Aplicação na vaga

Quando um profissional é atraído pela empresa, fica satisfeito com a vaga e se candidata a ela, ele completa a primeira parte do recrutamento. A partir daí, ele se torna um verdadeiro candidato no processo seletivo.

Nesse momento, a organização precisa trabalhar para conseguir manter a visão positiva do indivíduo em relação a ela nas próximas etapas. Quanto mais pessoas se aplicam nas vagas, maiores são as chances de encontrar os talentos com perfil alinhado ao cargo em aberto.

A clareza nas informações do processo seletivo é um ponto essencial para favorecer a jornada do candidato. O ideal é que, a cada aplicação, a organização informe um período para retornar o contato, informando se a pessoa vai ou não continuar no processo seletivo. Mesmo que a análise de currículos seja a primeira fase da seleção, é importante que haja respeito aos interessados.

Participação na seleção

Durante o processo seletivo, é comum que a gestão pense que está no controle total da situação, bastando escolher entre os melhores candidatos. No entanto, é imperativo que as estratégias de engajamento continuem nesse momento, com o propósito de fortalecer a relação entre a marca empregadora e os participantes.

Quando a seleção acontece de maneira desorganizada, sem respeito ou elementos atrativos, os profissionais podem se sentir desmotivados ou, até mesmo, decepcionados, abandonando o processo.

Para otimizar essa etapa da jornada do candidato, a empresa pode aplicar testes diversificados, fazer entrevistas presenciais e a distância e analisar o fit cultural. Assim, as chances de escolhas mais acertadas sobem. No recrutamento, contam não apenas habilidades técnicas como também competências socioemocionais.

Com a finalidade de garantir uma experiência mais satisfatória para os profissionais, a organização pode usar plataformas digitais para testes e adotar a prática de feedback construtivo no fim da seleção.

Contratação

Chegamos à etapa final da jornada do candidato, quando a equipe de recrutadores define as melhores opções de contratação entre os participantes do processo seletivo. É o momento de se unir ao Departamento Pessoal para fazer os últimos acertos para a chegada do novo talento à equipe.

Quando o ciclo do recrutamento e seleção termina, começa a jornada do colaborador. Para dar seguimento a uma estratégia de sucesso, a gestão deve apostar em um processo de onboarding que reforce os valores corporativos, guie o funcionário em sua função e dê as boas-vindas à empresa.

Esperamos que essas dicas ajudem você a atrair e selecionar os melhores talentos do mercado para sua organização. Entender a fundo a jornada do candidato é o primeiro passo para estruturar ações que priorizem a experiência do profissional e fortaleçam seu employer branding.

Quer acompanhar mais conteúdos como este e descobrir mais dicas da Vincci? Então, curta nossa página no Facebook!

Posts relacionados

Deixe um comentário